CIA TATO, de Curitiba, e a poesia da cena

CIA Tato, de Curitiba, é a grande surpresa do FITA

Texto publicado no jornal Notícias do Dia [29/06/2012]

Por Marco Vasques e Rubens da Cunha

            A programação do Festival Internacional de Teatro de Animação vai se equilibrando, como todo festival, entre espetáculos sublimes, bons, medianos e ruins. O que não se entende é que a maioria dos espetáculos sem expressividade sejam, justamente, os internacionais,  como exemplo podemos citar os espanhóis Bag Lady e Tres Histórias Tres. Para quem aprecia os adágios que dizem “casa de ferreiro espeto de pau”, ou ainda, “santo de casa não faz milagre” podem colocá-los na algibeira e silenciar. Porque a grande surpresa do 6º Fita é a Cia Tato Criação Cênica, de Curitiba.

            A Cia Tato apresentou dois espetáculos: Tropeço e E se… Criada em 2004, trata-se de uma companhia jovem que vem desenvolvendo um trabalho centrado em três dramaturgias: a do corpo, a da voz e  a da imagem.  Se Cortázar já nos disse que a imagem de um conto perfeito lembra a ideia de uma esfera, por sua perfeição infinita, podemos afirmar que a Cia Tato pensa seus espetáculos como esfera unindo corpo, voz e imagem em um todo que nos remete a estética expressionista.

            Ao transformar as próprias mãos dos atores/manipuladores em bonecos Dico Ferreirae Katiane Negrão reinventam o corpo e o olhar do espectador. No entanto a Cia. Tato sabe que somente a técnica não sustenta peça nenhuma. Assim, tanto Tropeço quanto E se… trabalham sobre um capital humano profundo. E Se… é um espetáculo mais leve, como diz o próprio grupo, “aparentemente  voltado ao público infantil”, há uma gama de personagens que se encontram numa rua de uma cidade qualquer. É dos encontros e desencontros que os bonecos se alimentam para narrar os múltiplos abandonos a que nossa gente está submetida.

            Um agricultor e sua vaca perdida, um menino de rua, uma velha numa cadeira de rodas, um roqueiro que canta nas ruas para se alimentar, um gari que tira, dos restos do mundo capitalista, alguns trapos possíveis de reutilização, enfim, toda essa gente dá margem transita entre um colorido alegre e o mundo sombrio dos homens indesejados de uma sociedade que só abriga em seu seio o homem útil, o homem-máquina.

            O fascinante do trabalho da Cia. Tato é percebermos que todos os personagens são feitos com as mãos, contudo, em um lance de olhar já não são mais as mãos que estão ali, mas sofrimentos, esperanças, dores, algum desespero, outro tanto de solidariedade. E se… é um espetáculo de pequenos gestos, de delicadezas sutis e musicais, de contrastes entre o urbano e o rural, entre o adulto e o infantil. A caracterização e  construção dos bonecos faz com que vejamos suas expressões, suas dúvidas.

             O manifesto estético do grupo é preciso e sucinto: “caminhar pelo simples… poucos adereços e a valorização da manipulação.” A fórmula foi seguida à risca nos dois espetáculos do grupo.  Com potente envergadura poética, eles foram simples, usaram poucos adereços e praticaram manipulações perfeitas vivificando cada gesto.  Das mãos de Dico Ferreira e Katiane Negrão a poesia “voa fora da asa”.

Anúncios

2 respostas para “CIA TATO, de Curitiba, e a poesia da cena

  • Bel Fernandes

    Que análise bonita, essa! Eu sou de Floripa mas moro em Curitiba há mais de 5 anos e quando me deparei com a beleza dessa Companhia Teatral assistindo os dois espetáculos que compuseram este Festival de Teatro de Animação eu me transformei. Como foi tão bem pontuado é um trabalho minuncioso e sutil. Contemporâneo em seus resgates que anunciam essências. Poético e doce tocam a alma. Dico e Katiane são artistas generosos que se diminuem para que a potência de suas artes em cena engrandeçam e cheguem a plateia de forma a incorporá-lá como agentes. Precisamos ressignificar nosso fazer teatral em prol de nós mesmos. Muitos artistas insistem em se manter de pé frente a queda imposta por políticas públicas que esquecem que a cultura é mola propulsora na construção de uma sociedade mais crítica e sensível aos nossos tempos. Que a Companhia Tato tenha vida longa e receba em dobro tudo que oferece de forma tão comprometida e responsável. Fiquei feliz em saber.

  • Neusa

    Assisti Tropeço e sai em um estado de puro fascínio, coisa que não me aconteceu em nenhum outro espetáculo do FITA. Parabéns a Cia TATO!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: